Brasil Blogado » Toxoplasmose » Toxoplasmose na gravidez

Toxoplasmose na gravidez

Durante toda a gestação, é necessário que a mulher tenha cuidado e se previna em relação ao acometimento de doenças, como a toxoplasmose. Saiba neste artigo mais detalhes sobre essa enfermidade quando ela ocorre durante a gravidez.

     

Toda e qualquer enfermidade que acomete o organismo de uma gestante, pode vir a provocar sérios danos, tanto à saúde da mulher, quanto  o feto. Devido a isso, o pré-natal se faz completamente essencial durante o período gestacional, para que se tenha um acompanhamento de ambos, prevenindo e tratando possíveis transtornos que possam surgir.

A toxoplasmose é uma doença alarmante durante a gravidez, isso porque quando a mulher está infectada pelo parasita, poderá vir a transmitir o micro-organismo para o bebê pela sua placenta, ocasionando vários danos ao seu desenvolvimento.

Causas

Essa enfermidade é considerada como infecciosa, podendo ela ser congênita ou adquirida. É causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, que se faz bastante encontrado nas fezes de animais (principalmente dos gatos), em alimentos contaminados e carnes cruas.

Observação: Pesquisas revelam que alguns seres humanos também podem vir a hospedar esse tipo de parasita em seu organismo.

Toxoplasmose gestacional: causas, sintomas, riscos, tratamento e prevenção

Mulher grávida segurando na mão de uma pessoa.
(Foto: Reprodução)

Sintomas

» Calafrios;
» Febre;
» Fígado inchado;
» Dores musculares;
» Gânglios inchados pelo corpo.

É importante lembrar que quando a toxoplasmose é adquirida na gravidez, seus sintomas quase nunca costumam se manifestar.

Diagnóstico

A análise do quadro é realizada através de exames clínicos e laboratoriais de sangue.

Tratamento

O primeiro procedimento utilizado pelos médicos será o ministramento de antibióticos específicos para a gestante, proporcionando assim a redução do risco de transmissão do parasita para o bebê.

Após a 18° semana gestacional, poderá ser realizado uma cordocentese para saber se o feto foi ou não infectado. Esse teste se dá através da coleta do sangue do bebê pelo cordão umbilical. Caso a doença seja confirmada, o tratamento da criança poderá ser feito após o seu nascimento.

Prevenção

» Lavar bem as mãos, frutas e legumes antes de comer;

» Separar os alimentos cruz dos cozidos para evitar possíveis contaminações;

» Usar luvas sempre que for mexer com terra;

» Descongelar alimentos de acordo com as suas especificações adequadas;

» Evitar contato com fezes de animais, principalmente de gatos;

» Se tiver gatos em casa, procure levá-los em consultas regulares veterinárias e mantê-los sempre higienizados;

» Evitar o contato com gatos abandonados, desconhecidos e de rua;

» Utilizar facas e tábuas diferentes quando for manusear carnes cruas. Lembre-se de lavar bem as peças posteriormente com água e sabão neutro;

» Cozinhe bem as carnes e opte por não consumi-las cruas ou mal passadas;

» Mantenha a mão sempre higienizada, principalmente depois de lidar com carnes e outros tipos de alimentos, gatos e outros animais, suas fezes, terra, etc;

Riscos para o bebê

» Atraso no desenvolvimento;
» Aborto espontâneo;
» Convulsões;
» Surdez;
» Cegueira;
» Lesões nos olhos;
» Hidrocefalia;
» Atraso mental.

Atenção

Esse texto possui classificação informativa, portanto, não serve de base para avaliação médica. Caso algum dos sintomas acima estejam aparentes ou possua dúvidas sobre essa doença, procure uma orientação especializada por profissionais da saúde.

Você pode gostar desses:

Artigos relacionados:


Quer comentar ?