Brasil Blogado » Saúde » Transmissão Herpes Genital

Transmissão Herpes Genital

A herpes genital vem se manifestando com frequência, isso porque as relações entre parceiros está começando cada vez mais cedo. Se você tem qualquer tipo de dúvidas sobre essa doença e como ela pode ser transmitida, acompanhe este artigo e esclareça tais dúvidas.

     

herpes genital ou HSF corresponde a uma doença sexualmente transmissível (DST), que ocasiona lesões pela pele, com mais intensidade nas regiões das mucosas dos órgãos genitais femininos e masculinos, sendo taxada atualmente como uma anomalia de alta prevalência.

Assim que essa enfermidade acomete a estrutura corporal, o seu micro-organismo se torna basicamente ineliminável do corpo, isso porque, para a sua sobrevivência, ele utiliza do material fornecido pelas células do hospedeiro para sua replicação posteriormente.

Em alguns casos, existe ainda a possibilidade do micro-organismo se esconder dentro das raízes nervosas, não possibilitando o acesso do sistema imunológico a ele.

Causas que levam a doença

O principal motivo do aparecimento dessa enfermidade é o contágio com o vírus do herpes simples tipo 2 (HSV2), que costuma acometer e mostrar seus sinais com mais facilidade nas nádegas, na região genital e no ânus.

Principais sintomas

O grande problema de identificar a doença é porque alguns dos seus sinais se aparentam muito com a lesões de insetos ou outro problema de pele. Por isso é importante ficar atento a todo e qualquer sintoma ou desconforto que o corpo manifestar.

Herpes genital: causas, sintomas, transmissão, tratamento e prevenção.

Representação das lesões provocadas pela herpes genital.
(Foto: Divulgação)

» Ardor;
» Prurido;
» Manchas vermelhas;
» Formigamento;
» Gânglios inflamados;
» Erupção cutânea;
» Pequenas bolhas cheias de líquido se rompem;
» Mal estar;
» Perda do apetite;
» Dores musculares;
»  Febre;
» Dor ao urinar;
» Corrimento vaginal;
» Fadiga;
» Traumas;
» Estresse emocional e físico;

Crises

Elas costumam se manifestar de acordo com o quadro de cada enfermo, se dando com mais intensidade e duração nas mulheres do que nos homens. Em alguns casos, fica por um longo período sem ocasionar nenhum ataque, já em outros, eles se fazem tão presentes, que os seus sintomas se apresentam de maneira contínua.

Formas de transmissão

As únicas maneiras de se contagiar com o herpes genital é ter uma ligação direta com o vírus, através de contato com as lesões (lambendo, esfregando ou somente encostando) e do compartilhamento de objetos pessoais, principalmente os mais íntimos, com pessoas que estejam contaminadas pelo vírus.

Quando procurar ajuda médica?

Assim que os sintomas começarem a aparecer, a ajuda médica deverá ser procurada, pois quanto antes a doença for descoberta, menos lesões ela irá causar ao organismo, sem mencionar que através do tratamento, as feridas serão tratadas, diminuindo assim a possibilidade de transmissão e a contenção do vírus.

Tratamento

Os procedimentos utilizados vão variar de acordo com cada quadro, mas o ministramento de medicações se faz como um ponto essencial, principalmente dos antivirais, pois ajudam a aliviar as dores e os incômodos durante os momentos de crise, que costuma se dar pelo menos uma vez ao ano, mesmo com a realização adequada do tratamento.

Efeitos colaterais

Os medicamentos podem vir a provocar efeitos no organismo a curto, médio ou longo prazo, como:

» Dor de cabeça;
» Náuseas;
» Vômitos;
» Fadiga;
» Convulsões;
» Erupções;
» Tremores;

Tem cura?

Essa doença sexualmente transmissível não tem cura, mesmo quando o vírus é descoberto logo na sua fase inicial de transmissão.

Dicas de prevenção

A melhor maneira de prevenir essa DST, é evitar o contato íntimo e oral sem o uso de preservativos (de preferência os que são produzidos em látex), com mais relevância ainda quando a relação entre os parceiros não for monogâmica.

Atenção!

Todos os dados descritos acima possuem foco de pesquisa e não de orientação médica para nenhum quadro, por isso, caso algum sintoma esteja se fazendo aparente, procure ajuda de um ginecologista ou urologista.

Você pode gostar desses:

Artigos relacionados:


Quer comentar ?